terça-feira, 7 de agosto de 2012

Palavras em falta.

Quantas vezes já não demos um passo atrás quando o que mais queríamos era correr em frente a passos largos e imparáveis? Quantas vezes o medo não se revelou através de palavras? Não por aquelas que foram ditas mas sim por aquelas que ficaram por dizer, aquelas que foram pensadas e que eram constituídas por um desejo tão forte de serem transmitidas, mas que por alguma razão continuaram naquele mundo tão distante, naquela alma tão inquieta. 
Quero tanto acreditar em ti, acredita que quero. Bastava olhares profundamente nos meus olhos e verias toda a verdade, verias-te a ti refletido em mim, verias que fazes parte da minha alma; às vezes só é preciso olharmos as pessoas no fundo do seu ser. Deixas? Deixas-me olhar-te nos olhos e dizer-te o quanto preciso de ti? Sem palavras, sem gestos, sem nada. Não costumam dizer que um olhar vale mais do que mil palavras? Então deixa-me apenas olhar-te para sempre, deixa-me perder na imensidão do teu olhar, mas apenas não me deixes, apenas fica comigo.
Quero que também tu confies em mim mesmo quando não te consigo demonstrar isso, mesmo quando te digo o contrário, quero apenas que leves a verdade contigo para onde quer que vás ou onde quer que estejas. Desculpa por todas as vezes que não te digo tudo o que penso e por todas as vezes que pareço distante ou até desinteressada, mas no fundo o meu único interesse é ficar perto de ti, longe deste mundo, longe destas distâncias.

Sem comentários:

Enviar um comentário