sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

À deriva no mar.

   Tenho saudades tuas. Porque é que eu insisto em ter saudade de tudo o que não vivi?
    Tenho saudades dos teus olhos castanhos, da tua voz calma, do teu cabelo encaracolado, do teu sorriso sincero, das tuas mãos capazes de agarrar um mundo, dos teus braços seguros, tenho saudades de tudo o que não senti. Não vale a pena tentar explicar, porque provavelmente não o perceberiam, não entenderiam como é que eu sou capaz de carregar a tua falta, sem que estejas lá para abarcares no porto mais distante desta imensidão de mar. Oxalá que fosse feito de rosas! Hoje em dia quem não sabe navegar, não encontra marinheiro. Mas foi quando me encontrava perdida, foi quando andava à deriva, que o meu salvador apareceu, que tu apareceste, e assim me resgataste destas ondas que teimavam em levar-me na corrente de modo a embater nas rochas, nas duras e sôfregas rochas. Agora estou em terra, mas por vezes, quando penso em ti, sinto-me como se estivesse além do céu, elevas-me a um estado de felicidade, mesmo sem saberes como, mesmo sem eu saber como. Agora estou bem, mas por vezes, apenas por vezes, sinto o receio de estar a sentir-me acima do que deveria ser suposto sentir, de estar a fornecer demasiadas forças a algo que inicialmente não era nada mais do que algo inexistente. Agora estou longe, mas por vezes, quando me deito na minha cama desfeita, ao cair da noite, tento imaginar-te e relembrar-me de ti, tento sentir algo que a distância não permite, e é assim que entro nos meus sonhos mais profundos, e é assim que termino mais um dia, esperando que o seguinte esteja mais perto do local onde te encontras, tão distante como os meus sonhos. Agora estou a escrever, estou a depositar todos os meus sentimentos em palavras, coisas que julgava serem impossíveis de explicar, de pronunciar, coisas que julgava serem impossíveis de compreender. Fico, agora, à espera da tua chamada, da tua voz a chamar-me, fico à espera de um dia poder sentir-me segura nos teus braços, fico à tua espera para acreditar em ti, para confirmar que depositei as melhores provas de amizade em alguém que tanto amo, fico à tua espera para ser feliz, até já.

6 comentários:

  1. História triste :S e a música também apesar de a adorar .

    ResponderEliminar
  2. Adoro, adoro, adoro :) vou seguir de volta, também.
    P.S.- Sê bem-vinda ao meu cantinho!

    ResponderEliminar
  3. Um até já, cheio de esperança e de amor.
    Adorooo :)

    ResponderEliminar